Wi-Fi 6: O que esperar do novo padrão de rede sem fio

Enquanto o 5G agita o mundo com suas possibilidades de alta conexão e desdobramentos tecnológicos, uma outra inovação também deve trazer vantagens e novas soluções.

Estamos falando do Wi-Fi 6, a nova geração da conexão sem fio.

De forma simplificada, podemos dizer que o Wi-Fi 6 permitirá maior velocidade de conexão, assim como a interconexão de diversos aparelhos em uma mesma rede sem perda de qualidade.

Outros benefícios incluem ainda mais segurança de conexão e redução dos gastos de energia. Mas os benefícios e as mudanças vão além.

Primeiramente, é importante entendermos o que muda com o Wi-Fi 6 em relação às versões anteriores da tecnologia de conexão sem fio. A seguir obtivemos a explicação de dois profissionais da área.

“No Brasil, ainda é muito utilizado o Wi-Fi em 2.4 GHz e 5 GHz. Essa nova ‘geração’ da conexão sem fio, por sua vez, opera na faixa dos 6 GHz, por isso o nome Wi-Fi 6. A nomenclatura técnica dessa geração de Wi-Fi é 802.11ax, e ela se difere das gerações anteriores principalmente pela sua maior capacidade de conectividade”, explica João Eudes (equipe tecnológica da BMJ Consultores, especialistas no assunto) Ele continua: “Com o Wi-Fi 6, um número maior de canais de transmissão, poderão ser utilizados, operando com uma largura de banda mais ampla (160 MHz). Com isso, também será possível aumentar o número maior de dispositivos que poderão ser conectados mantendo a estabilidade e velocidade das redes Wi-Fi.”

Juliano Massarelli, outro especialista do Grupo Binario, aproveita para destacar algumas das mudanças que veremos com a nova tecnologia, que, aliada ao 5G, irá impactar profundamente os serviços e o uso da internet e das novas tecnologias nos próximos anos.

“Se trata de um avanço muito importante visto que cada vez mais é necessário um aumento de performance nas redes sem fio. Com o Wi-Fi 6 o mundo dos games, realidade virtual, IOT, vídeo conferência e a tecnologia 4k funcionarão de modo mais efetivo”, explica.

Este novo Wi-Fi trará benefícios importantes para a conectividade.

“Quando falamos de uma internet para uso residencial, a maior velocidade do Wi-Fi 6, devido à maior frequência de transmissão do sinal, atrelada à maior capacidade de conexão de múltiplos dispositivos operando em fluxos distintos, atenderá à uma demanda crescente dos consumidores finais por uma internet de qualidade para realização de multitarefas em um ambiente cada vez mais conectado”, analisa Eudes. Ele prossegue: “Do ponto de vista comercial/urbano, o Wi-Fi 6 surge como uma oportunidade de levar banda larga de qualidade para centros com grande trânsito de pessoas. Com Wi-Fi em 2.4 ou 5 GHz, uma quantidade densa de transmissores é necessária para fornecer cobertura e conectividade neste tipo de ambiente, como universidades, rodoviárias e aeroportos.” Massarelli aproveitou para elencar os avanços que considera mais importantes na adoção do Wi-Fi 6. Confira:

⦁ Aumento da velocidade
⦁ Capacidade maior de dispositivos conectados
⦁ Economia de energia

“Por fim, é importante destacar que recai sobre o Wi-Fi 6 um desafio em sua fase de implementação que é muito familiar aos dispositivos de uso não licenciado do espectro, que é a interferência. O uso da faixa espectral de 6 GHz pelo Wi-Fi ainda é recente, por isso, é difícil dizer ao certo quais são todas as possíveis interferências de sinais que serão causadas ou sofridas pela tecnologia do Wi-Fi 6”, conclui.4

Pitaco da colunista: Wi-Fi 6 não é uma tecnologia recente, existe desde o final de 2018. Mas como toda nova implantação tecnológica, exige tempo, infraestrutura adequada e valores acessíveis até ser totalmente difundido, já que a maioria dos dispositivos atuais não suportam a capacidade desta nova conexão. Mas com certeza facilitará muito o funcionamento IoT e o novo Metaverso.

Como preparar um café gelado, cremoso e mais que delicioso? É o Dalgona Coffee!

Cacerola: a comida que encanta!