Cinco dicas para um Carnaval mais consciente

Catadores contribuem para a destinação correta dos resíduos durante a folia e ajudam na conservação do meio ambiente

O Carnaval 2024 está aí e com ele, a preocupação da destinação correta das toneladas de resíduos geradas pelos foliões durante os cinco dias de festa. No que se refere aos catadores de material reciclável, a coleta destes itens significa a obtenção de renda e a contribuição para a limpeza do meio ambiente.

Desde 2003, quando o Carnaval de São Paulo realizou, pela primeira vez, uma ação de reciclagem, muito tem sido feito por órgãos governamentais, empresas, associações e ONGs com o objetivo de ampliar a coleta seletiva no período de folia e aumentar a conscientização da população.

No caso dos catadores, especificamente, apesar de serem os grandes agentes ambientais nas cidades, esses trabalhadores sofrem muitas vezes com desvalorização, invisibilidade e preconceito. Em São Paulo, um dos projetos da organização destes profissionais, é o aplicativo Cataki, que conecta os catadores a pessoas que desejam ter seus resíduos coletados e aproveitados. A plataforma, lançada em 2017, é gratuita, mas é orientado que os solicitantes do serviço paguem por ele.

De acordo com Mariana Cardoso, membro do grupo técnico do Movimento Plástico Transforma, a contribuição dos catadores e da população é fundamental para que esse processo de coleta seletiva seja o mais efetivo possível. “A atuação destes trabalhadores é essencial em todo este processo, pois infelizmente, ainda é cena comum do Carnaval vermos as ruas cheias de lixo, uma vez que os foliões acabam descartando seus resíduos fora dos pontos de coleta”.

O Movimento Plástico Transforma selecionou algumas dicas para aproveitar o Carnaval de forma mais consciente:

1 – Leve uma sacola ou mochila para guardar seus resíduos

A garrafa de água precisa ser sua companhia inseparável do início ao fim. As garrafas vazias podem ser colocadas na mochila até que você encontre um ponto para descarte de resíduo reciclável. O mesmo pode ser feito com latas e outros tipos de materiais. Vale lembrar que, as garrafas de plástico, por uma questão de segurança oferecida pelo material, são as ideais para este momento.

2 – Reutilize seus acessórios de folia

Reutilizar bandanas, tiaras, óculos e camisetas que você já tem em casa é uma forma sustentável de curtir o Carnaval. Isso evita que a cada ano se gere mais resíduos.

3 – Respeite o trabalho dos profissionais de limpeza e catadores

Entre a multidão dos blocos e desfiles estão os profissionais de coleta de resíduos. Mas não é porque eles estão por perto que você pode jogar itens no chão. Seja gentil e descarte corretamente para colaborar com esses profissionais tão valiosos para a sociedade.

4 – Mire a lixeira corretamente

Infelizmente, algumas pessoas descartam o resíduo e o deixam cair da lixeira não se preocupando em recolher e colocar dentro do recipiente corretamente. O resíduo, quando jogado no chão, pode acabar dentro de bueiros e causar entupimentos, alagamentos, entre outros transtornos.

5 – Prefira o transporte público

No Carnaval são milhares de foliões se deslocando ao mesmo tempo. Ao optar por transporte público você contribui para que a emissão de poluentes seja menor neste período, além de evitar outros transtornos.

Com essas dicas é possível aproveitar o Carnaval com alegria e de forma consciente. Lembre-se sempre que o resíduo que você gera é responsabilidade sua. Esteja atento às formas de descarte e aproveite!

Sobre o Movimento Plástico Transforma

Criado em 2016, o Movimento Plástico Transforma tem como objetivo promover conteúdo e ações educativas que demostram que o plástico, aliado à tecnologia, à criatividade e à responsabilidade, traz inúmeras possibilidades para os mais diferentes segmentos. Além do site, em que é possível encontrar conceitos importantes sobre aplicações, reutilização, descarte correto e reciclagem do plástico, o Movimento é responsável por diversos projetos voltados à sociedade que juntos já impactaram milhares de pessoas.

 

Academia de Letras de Campos do Jordão manifesta apoio ao Museu Casa da Xilogravura em carta aberta

Onda de calor atípica que estava na Argentina e Sul do Brasil, atinge o Sudeste durante o Carnaval