Renomado cientista brasileiro é eleito ‘Guardião Planetário’

Carlos Nobre é amplamente reconhecido por suas pesquisas sobre o aquecimento global e a Amazônia.

O renomado climatologista Carlos Nobre foi eleito como ‘Guardião Planetário’, tornando-se o primeiro brasileiro a fazer parte deste prestigioso coletivo global. Criado pelo empresário britânico Richard Branson, o grupo independente reúne líderes globais para debater e implementar iniciativas que combatam a crise climática mundial.

Um coletivo global

O coletivo inclui figuras proeminentes como:

– Mary Robinson, ex-presidente da Irlanda

– Juan Manuel Santos, ex-presidente da Colômbia

– Xiye Bastida, ativista climática

– Ayisha Siddiqa, ativista paquistanesa

Carlos Nobre é um climatologista de renome internacional, formado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e doutor em Meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos.

Nobre é amplamente reconhecido por suas pesquisas sobre o aquecimento global e a Amazônia. Ele foi um dos primeiros a formalizar a hipótese da savanização da floresta amazônica, uma teoria que alerta para a transformação da floresta em savana devido ao desmatamento e às mudanças climáticas. Além disso, Nobre contribuiu significativamente para o quarto relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas, um documento crucial que orienta políticas globais sobre o clima.

Presença do cientista no coletivo reforça o papel do Brasil na luta contra as mudanças climaticas

A eleição de Carlos Nobre como ‘Guardião Planetário’ destaca a importância de suas contribuições para a ciência climática e seu impacto global. Sua inclusão no coletivo reforça o papel crucial que o Brasil e a Amazônia desempenham na luta contra as mudanças climáticas e na preservação ambiental.

Com essa nova posição, Nobre continuará a promover iniciativas que busquem soluções para a crise climática, atuando ao lado de outros líderes globais para proteger o planeta.

 

Ainda dá tempo: Festival do Pinhão do Donna Pinha segue até o final de maio

Relatório de ONG internacional destaca áreas costeiras no Brasil que podem vir a ser alagadas